você está aqui: Home  → Arquivo de Mensagens

Como um satélite

Por Cesar Brod

Data de Publicação: 08 de Março de 2009

Hélio Ziskind escreveu uma das letras mais bonitas gravadas por ele, no grupo Rumo, em 1981:

Feito um satélite eu vivo rondando essa mulher
Às vezes eu chego perto pra ver o rosto dela
E é estranho, eu sinto ao mesmo tempo um bem e um mal
Coisas de quem ainda não sabe muito bem o seu estilo
E feito uma voz quer caminhar em todas direções.

Anos depois, em 2007, Vitor Ramil atacou o mesmo tema em seu "Astronauta Lírico":

Eu, astronauta lírico em terra
Indo a teu lado, leve, pensativo
A lua que ao te ver parece grata
Me aceita com a forma de um sorriso
Eu, astronauta lírico em terra
Indo a teu lado, leve, pensativo

Nós, homens, não entendemos mesmo as mulheres. A gente fica na órbita, rondando. Tentando manter mais distante a órbita quanto mais perto certo período lunar. A gente não entende nada, mas segue ao lado, leve. Nos enganamos... De leves não temos nada! Somos astronautas líricos em rota de colisão! Certo mesmo estava Lamartine Babo que, usando o caso especial da mulata decretou, em 1950 e pico, algo que pode ser generalizado para todas as mulheres:

A lua te invejando faz careta
Porque mulata tu não és deste planeta

Um carinha sem noção disse que os homens são de Marte e as mulheres são de Vênus. Nós, homens, somos terrenos. As mulheres são celestiais. Ao menos a minha é, foi o que a minha mãe disse: tua mulher pra te aguentar só pode ser uma santa! Minha mãe sabe! Tem longos anos de experiência no convívio comigo.

Gosto tanto de mulher que, com a minha, fiz mais três. Pensei que assim eu iria aprender a lidar com elas. Nada! Quando percebo, estão todas de cara comigo e eu perguntando: "O que foi que eu fiz desta vez?" -- já adiciono o "desta vez" pra dar a entender que já sei o que fiz em outras vezes e não estou repetindo. Não adianta! A resposta sempre é: "Desta vez? Não é a primeira e patati patatá...". O patati patatá é o momento em que desliguei tentando lembrar quais dos erros estou repetindo. Mulher tem uma memória!

Quando nasceu minha primeira filha perguntei para o Dr. Arnaldo Ferrari se esta tinha manual de instruções. Nada! Foi-se a minha oportunidade de extrapolar os conhecimentos adquiridos com a leitura de tal manual para meu relacionamento com todas as mulheres. Esta minha filha, a Natália, está no segundo ano de medicina (depois de cursar dois anos de engenharia de bioprocessos). Ela sabe até do meu esfincter social (que eu juro que não tenho!) e eu ligo pra ela pra perguntar como chegar na casa dela em Porto Alegre.

As mulheres estão tão a frente de nós, pobres homens, que elas já descobriram o significado do "mesmo lugar de sempre":

— Meire, cadê o milho de pipoca?

— Tá no mesmo lugar de sempre!

A única coisa que sei sobre o "mesmo lugar de sempre" é que ele é um lugar mágico, que nunca está no mesmo lugar. Lá no escritório também é assim:

— Joice, cadê o milho de pipoca?

— Tá no mesmo lugar de sempre!

Da última vez em que ela me falou isto eu voltei pra casa pra ver se o lugar de sempre do milho de pipoca ainda era o mesmo. Pergunta se era?

Por isso mesmo que, os caras que têm o dom, fazem poesia. Dizem que ficam orbitando, que são astronautas líricos. Tudo pra dizer que ainda não entenderam nada de mulher. Se tivessem achado o "lugar de sempre" não estavam orbitando, como quem não quer nada, leves e pensativos... Vão catar coquinho! No lugar de sempre!

Isto tudo só pra dizer que não entendo nada mesmo de mulher! Mas gosto assim mesmo e adoro que elas tenham este dia especial onde posso, oficialmente, homenageá-las! Nos outros dias as homenagens são extra-oficiais!

Beijão, mulherada!

Sobre o autor

Cesar Brod é empresário e consultor nos temas de inovação tecnológica, tecnologias livres, dados abertos e empreendedorismo. Sua empresa, a BrodTec, faz também trabalhos tradução e produção de conteúdo em inglês e português. Além de sua coluna, Cesar também contribui com dicas para o Dicas-L e mantém um blog com aleatoriedades e ousadias literárias. Você pode entrar em contato com ele através do formulário na página da BrodTec, onde você pode saber mais sobre os projetos da empresa.

Mais sobre o Cesar Brod: [ Linkedin ] | [ Twitter ] | [ Tumblr ].


Para se manter atualizado sobre as novidades desta coluna, consulte sempre o newsfeed RSS

Para saber mais sobre RSS, leia o artigo O Padrão RSS - A luz no fim do túnel.

Recomende este artigo nas redes sociais

 

 

Veja a relação completa dos artigos de Cesar Brod